Diretor de ‘Plano Real’ fará comédia inspirada na Lava Jato com roteiro de Marcelo Madureira

Por guilherme genestreti

Depois de ter virado thriller com “Polícia Federal”, a Operação Lava Jato vai virar mote de comédia. Comédia romântica.

Esses são os planos do ex-Casseta & Planeta Marcelo Madureira, uma das figuras mais vistosas do impeachment de Dilma Rousseff, que está roteirizando “Operação Batom na Cueca”, baseado no escândalo de corrupção.

A trama vai girar em torno de um triângulo amoroso envolvendo um contador, uma secretária e um empreiteiro, cada um corrupto à sua maneira. O argumento é de Rodrigo Bittencourt (“Plano Real”), que também vai dirigir o filme, e de Joana Henning, CEO da produtora Escarlate.

“É uma história sobre três corruptos e três corruptores”, diz Henning. “Vamos juntar características de vários dos envolvidos na Lava Jato nesses personagens. Queríamos fazer humor com uma história que dá raiva.”

O longa deve ser rodado entre julho e agosto do ano que vem, com previsão de estreia para o início de 2019. Os atores estão em fase de contratação, mas Henning ainda não revela os nomes. “Temos um acordo de colaboração com os núcleos de comédia da Globo”, diz.

A Escarlate ainda tem outros projetos com alta carga política para lançar: um filme sobre o assassinato do ex-prefeito petista Celso Daniel, que será dirigido por Marcos Jorge (“Estômago”), e um documentário sobre Lula. Esse último já está estruturado, mas está parado.

“É que lançá-lo agora, enquanto as coisas continuam acontecendo com Lula, seria queimar cartucho”, justifica.

Ela também discorda que o fato de ter escalado Madureira, associado à direita, possa interferir na recepção do filme. “Estamos falando do jeitinho brasileiro e de política geral, mas não de políticos específicos.”

Na foto acima, o ex-Casseta Marcelo Madureira, em ato contra o governo de Dilma no Rio, em 2015 (Créditos: Ricardo Borges/Folhapress)