Matheus Nachtergaele vai voltar à direção em longa com índios

Por guilherme genestreti

O ator Matheus Nachtergaele já tem um novo filme para marcar seu retorno à direção depois de “A Festa da Menina Morta” (2008). E será rodado no mesmo universo do longa anterior, a Amazônia.

Nachtergaele pretende usar como base para o projeto a peça “Woyzeck”, do dramaturgo alemão Georg Büchner, que o ator já protagonizou no teatro duas vezes.

Morto aos 23, o europeu deixou incompleto seu texto sobre um soldado raso que é manipulado por todos ao redor, incluindo seu superior e um médico que o usa para experimentos científicos.

No cinema, o ator-diretor quer trabalhar essa mesma trama, só que com índios. A produção será da Bananeira Filmes, que também produziu “A Festa da Menina Morta”.

“Não me sai da cabeça algo que vi na Amazônia: índios marchando como soldados. Tudo foi retirado deles e, ainda assim, eles têm que defender as fronteiras de um país que não é mais deles”, diz.

“Woyzeck” já foi levado aos cinemas pela dupla Werner Herzog-Klaus Kinski, em 1979.

*

Créditos: Rosane Hatab/ Divulgação
//CENTENÁRIO 1 Carlos Gregório vive o escritor Antonio Callado em “Callado, Vestígios”, doc de Emilia Silveira que tem produção da 70 Filmes, GloboNews e Canal Brasil

*

Imperador A cinebiografia de dom Pedro 1º que Cauã Reymond filmará no segundo semestre, com direção de Laís Bodanzky, será também uma minissérie em quatro partes. O ator, que produzirá o projeto, visitou locações em Portugal, como o Palácio de Queluz.

*

Centenário 2 Chegou às livrarias “O Último Durão” (R$ 40), sobre Kirk Douglas, que completou cem anos. Traz resenhas de seus filmes e uma entrevista com o ator, feita pelo organizador da obra, o jornalista Mario Abbade.

*

Mais de uma centena O cinema nacional fechou 2016 com o seu maior número de filmes lançados da história: 143.

*

Centenário 3

Autor do roteiro de “2001: Uma Odisseia no Espaço”, o escritor inglês Arthur C. Clarke (1917-2008) será lembrado durante a Campus Party, encontro de tecnologia que ocorre até 5/2 em São Paulo.

“Ele ficaria desapontado, preocupado, com os contratempos que estamos enfrentando com os rumos da ciência e com a questão climática”, afirma Walda Roseman, presidente da Arthur C. Clarke Foundation, que dará uma palestra sobre o legado do escritor-inventor na quinta (2).

Roseman crê que as obras visionárias de Clarke poderiam irrigar filmes de ficção científica mais frequentemente.